segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Sina de poeta

Ah, se não fossem as palavras!
Em que solidão muda eu padeceria?
Sem meios de exprimi-la,
Não haveria como expiá-la;
E, sem compreendê-la,
Como aceitá-la?
Curioso paradoxo este da solidão,
Que precisa ser comunicada,
Ainda que seja a um papel em branco.
Será um pedido de socorro,
Como uma garrafa lançado ao oceano?
Ou uma forma de ver,
Espécie de espelho da alma,
Aquilo que à felicidade escapa?
Postar um comentário