domingo, 19 de abril de 2009

Sobre os males contemporâneos

São muitos. Prolíferos, circunscritos e concentrados sobremaneira nos indivíduos, a sociedade atual só tende a exacerbar seus efeitos. Compulsões, insociabilidade, angústia, ansiedade, stress, depressão, pânico. Seria impossível lembrar-se de todos, ainda que quisesse, pois provavelmente um novo mal psíquico está sendo descoberto nesse exato momento, agora. Seja como for, não me cabe aqui tratar de cada um deles em separado, menos ainda falar de um ponto de vista mais geral. É-me de direito apenas discutir acerca daquilo sobre o qual tenho conhecimento, no caso, prático: a solidão. Esse sim é o mal que devora minhas entranhas, aflige minha mente e seca minha alma. Não que nenhum outro fantasma não me persiga, ao contrário, mas certamente este é o maior e mais perigoso. Ele está comigo quando acordo e não há ninguém ao meu lado; quando tomo meu café ouvindo música; quando saio para dar cabo das correrias diárias; quando deito a cabeça taciturna no travesseiro confidente; enfim, em cada momento, seja do mais ordinário ou do inesperadamente singular. Não obstante a possibilidade de se encontrar a remição à solidão em um fato extraordinário, usualmente isso não acontece – e, caso aconteça, amiúde dura pouco. Estamos trancafiados em celas individuais, cercadas por poços infindos de frustrações e medos, condenados a uma existência unicelular. O desejo egoísta, ou apenas o medo de se machucar, tornou as relações humanas distantes, conversadas mediante ecos, quando não completamente desconectadas por ouvidos moucos. Cindimos cada vez mais a massa e servimo-la em pequenas porções individuais. Evidentemente não gostamos da má digestão resultante, mas é assim que fazemos há algum tempo. É o nosso tão belicosamente defendido way of life. Quanto a mim, mesmo não querendo, levo isso muito à sério, quase ao pé da letra. Pudera! Porquanto a minha timidez pueril procurou me afastar desde daqueles com quem convivi um razoável tempo de vida, até daqueles com quem simplesmente troquei uma olhadela fugaz. Portanto, não é de ontem minha solidão. Estou vacinado e não recaio mais no sofrimento como era de costume. Agora, ela é minha mulher, companheira para toda a vida e já não sei mais se quero o divórcio. Você acaba se acostumando. À parte isso, tenho em mim uma vontade ingente de um par pra dividir. De mais a mais, a insensatez cotidiana mantém-me ocupado, com a mente focada em objetos inúteis, o que cumpre uma função de suma importância na sociedade contemporânea, qual seja, desviar a atenção das necessidades verdadeiramente humanas e preencher o vazio que a falta delas cava no peito. Então você trabalha, trabalha e, um pouco mais, trabalha, para comprar, comprar e, sempre mais, comprar o quanto pode. É verdade que na escassez monetária recorremos a outros métodos menos sofisticados para sanar a angústia moderna, como a comida em excesso, cujo corolário é a engorda sistemática. Seja como for, o resultado continua tão o mesmo quanto as causas que o produziram. E, no limite, o que rigorosamente nos interessa aqui são as causas, por que sem uma dada causa não há um determinado efeito. Sendo assim, a conclusão óbvia é a urgência em substituir as variáveis da equação. Porém, como se elas já estão dadas por um pano de fundo social infinitamente mais complexo e sobre o qual não há controle individual algum?

terça-feira, 14 de abril de 2009

Dois amantes que se perderam por aí, como tantos outros...

Costumávamos deitar na varanda lá pelas tantas da madrugada, olhávamos para as estrelas e ficávamos a tecer teorias. Dizíamos: “está vendo aquela estrela? Pois bem, na órbita daquela pequena estrela tem um planeta, muito parecido com o nosso e, nesse exato momento, dois amantes estão, assim como nós, olhando para o céu estrelado e, de todas as estrelas possíveis de se ver, estão olhando para cá, para nosso pequeno sistema solar e dizendo: ‘assim como nós, num pequeno planeta daquela estrela tem um casal olhando para nós dois aqui e desejando que sejamos muito felizes’”.

Naquela época nos sentíamos tão fortes juntos que o mundo era pequeno e o universo era passível de ser conquistado. Éramos tentados então a deixar esse mundinho, queríamos voar por aí, transformar-nos em luz. Quase conseguimos. Mas depois, sem mais nem menos o mundo cresceu, cresceu e ficou tão grande que envergou todo seu peso sobre nossos ombros e agora não conseguimos mais olhar para as estrelas. Na verdade, nem lembramos mais delas. Andamos com passos de anões e orgulho de gigantes. Trabalhamos para plantar novas porcarias na terra, das quais não precisamos, e as nossas antigas histórias que crescem insistentemente feito ervas daninhas, como para nos dizer: “estamos aqui ainda, recorde-me, recorde-me!”, nós as arrancamos e dizemos: “não preciso mais de vocês!”.

Hoje, quando por um acidental resvalo, olha para aquela estrela e penso: “será que os dois amantes estão lá ainda, olhando para nós aqui com ar de reprovação por termos falhado? Será que ficam tristes porque abandonamos o sonho de alcançar as estrelas? Será que ainda torcem por nós?”

terça-feira, 7 de abril de 2009

Um dia qualquer no ônibus

Por entre os carros neurastênicos que costuravam as veias asfaltadas do centro da cidade, entrecortava um ônibus suburbano tipicamente prosaico. Dentro dele, um observador e, ao seu entorno, uma vívida realidade social cotidiana se desenrolando, a qual comumente não se dá valor algum.


Ao lado do observador, duas mulheres de idades distintas sentadas juntas conversavam. Pelo cabelo desgrenhado e mal-cuidado, impregnado de preocupações, pelo rosto sem maquiagem e profundamente sulcado, pelas roupas simples cujas peças não combinavam entre si, e pela bagagem acondicionada em sacolas de plástico que ostentavam em impresso um slogan de algum supermercado qualquer, podia-se inferir decerto a origem social daquelas mulheres, de onde vinham e para onde iam – potencialmente.


A julgar pelo diálogo, eram vizinhas de muro, situados nalgum bairro periférico qualquer, aonde se varrem para além das vistas aqueles cuja existência insiste em ser negada, ao mesmo tempo em que, paradoxalmente, são indispensáveis na medida em que constituem a base necessária para a reprodução da vida daqueles cuja existência insistentemente é glorificada.


Aqueles que mais têm, mais apegados se tornam àquilo que lhes possuem, e menos estão dispostos a dar.


A mulher mais jovem contava à senhora de mais idade que lhe acompanhava sobre seus infortúnios:
- é amiga, a situação num tá fácil não. O salarinho magro do marido não tá resolvendo. Só por Deus mesmo pra ter misericórdia de nóis!
- pra mim também não tá fácil não viu, Margarete. Minha única renda continua sendo só a pensão do finado. Depois que eu saí da casa dos Rodrigues não consegui mais emprego de doméstica. Se pá é coisa ruim que lançaram pra cima da minha pessoa.
Após uma breve pausa, como quem engole à seco o fel segregado pelos pensamentos pungentes, elas continuam:
- mas quem tá mal mesmo é minha irmã, sabe dona Maria. Aquele pilantra safado sem-vergonha do meu cunhado continua bebendo até a mãe dele se for preciso! Num tem cristo que dê jeito. Ela me diz que não vê a hora de sair daquele lugar, entende? Pegar as crianças e cair no mundo. Eu até que dou razão. Afinal, quem que güenta isso por muito tempo? Mas a praga diz que se ela fizer isso ele sai de pexera na mão e acaba com a vida dela.


Dona Maria, sem aparentar muito contristada, retruca:
- ah minha filha, no meu tempo num tinha esses tipo de questionamento não, tinha de agüentar mesmo, calada e olha lá! Porque se falasse alguma coisa que “ele” num gostasse era tabefe na oreia na certa!
- pode até ser viu Maria. Talvez as coisas sejam melhores do que antes. Quanto a mim, fui abençoada pela glória do Senhor!
Ouve-se um “amém” intercalado, e ela continua:
- minha menor tá espichando rápido, e, do jeito que é esperta, vai me ajudar bastante, se Deus quiser!
Outro “amém”, pra se ter certeza.
E com um profundo pesar carregado na face jovial,mas ao mesmo tempo resignada, Margarete continua:
- cê sabe né Maria, vou pagar os meus pecados com a mais velha, que nasceu especial.


As duas pequenas sentadas inocentemente no banco da frente permaneciam alheias à conversa tempestuosa das adultas atrás de si. Apenas observavam a paisagem da cidade que transcorria como num filme: tudo tão grande, tão magnético e luminoso, tão diferente de onde moravam.


O ônibus para num semáforo. Ao seu lado emparelham um grupo de motoqueiros, montados em nomes estrangeiros dos mais variados: suzukis, hondas, kawazakis, e por aí em diante. Era um belo dia para desfilarem com suas jaquetas de couro e seus motores portentosos. Zumbindo e rufando, seus motores não significam trabalho, mas sim diversão, e as ruas representavam seu GP. Para quem pode, a vida é bacana e despreocupada.


Nem as mulheres, nem os motoqueiros tomam conhecimento da existência de uns dos outros. E a vida segue seguindo...