quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Réquiem para Manoel de Barros

A margarida
Cortada
Jazia
Derribada
Sobre a grama
Quando a criança
Que passava
Cutucou-a
Cuidando-a
Morta
A flor então
Despertou
Olhou à criança
Através da janela
D'alma
E disse:

Ponha-me
Num copo
D'água
E eu flores
Serei
Nova
Mente
Postar um comentário