segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Fica mais um pouco

Onde vais com essa pressa?

É tarde

É cedo
Faço-lhe café
Com torrada e geleia
Mas antes fique deitada comigo
No meio peito
Só mais uns minutinhos
Que eu gostei de você
E ainda nem me acostumei com teu cheiro
Muito bom, se quer saber
Cheiras a terra molhada
Como eu ia dizendo
Não posso deixar-te ir
E se eu não mais te ver?
Sabe como é
A vida é cheia de surpresas
Boas e ruins
Tantas coisas podem suceder
A partir do momento que saíres
Daqui, de cima de mim

Não vês que lá fora o tempo passa
A vida acontece
E eu tenho trabalho
Tenho lugares onde estar
Pessoas a falar
E coisas a fazer?

Ora, não é por isso que vais embora
Sem uma transa de despedida
Não, não senta na beirada da cama
Ela é como uma ilha
E nós somos como náufragos
Olha que faço birra
Faço manha
Passo os pés pelas suas costas
Faço cosquinha
E dou mordida
Na bunda
Como é teu nome mesmo?
Ah, verdade, tão bonito!
Não tinha reparado nesta marquinha
Perto do seio
Me conta
Um segredo?

Quem sabe outro dia, eu volto
Tenho que ir, sério

Tu não me enganas, fica agora
Isso, larga o celular
Repara no bico
No meu dengo
Vais resistir assim mesmo?
Lá fora faz sol, é primavera
Mas se você se for
Aqui dentro será inverno
Com chuva
Vai, esquece o mundo
Esquece o emprego
As outras pessoas
Elas usam roupas
Não andam nuas
Como nós dois
Vem, te aconchegas
Que ainda é cedo
E já é muito tarde
Tarde em demasia
Pra não amar
Depois de procurar
Em tantas camas frias
Por um amor como este
Que havemos de ter
Um dia
Postar um comentário