terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Sina

Quanto a mim
Falta tato, falta jeito
Além de menino, bobo
Não têm braços
Tampouco beijos
Que cure esse desejo
De ser amado
Que aquiete esse desassossego
Que trago desde o berço
No peito
Um coração solitário
Que bate calado
Amuado
Porque não encontra remédio
Pra este vazio
Que aos pouquinhos
Há de me matar
De tanta falta
Postar um comentário