quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Da cela

Põe em parênteses a vida
Suspende a pouca alegria
Trabalha mudo noite e dia
E esquece tuas promessas
Que a necessidade aperta
As contas não te esperam
Chora a criança na miséria
A menina pobre na favela
O homem de raiva na cela
Ah, como a vista é bela!
É tão linda a cidade da janela
Postar um comentário