quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Pacifismo

Comunistas e não comunistas
Deixemos esses esquemas,
Mesquinhos, de ver a vida
De conceber a realidade
Como campo de batalha
Quem faz guerra
São Estados
E não pessoas
É já hora de recursamos
Essas expressões militares
Quem tem lado é exército
Que divide o mundo em metades
Onde cabem apenas duas
Tristes e solitárias
Possibilidades:
Ou bem está conosco
Ou bem está contra nós
Mas onde eu finco os pés
Não cavo trincheira
Entre eu e você
Se estende mais do que uma Terra de Ninguém
Podemos ser outra cousa além de amigos ou inimigos
Companheiro-em-armas?
Isso é patente?
Não sou, desculpe-me
Sou pacifista
Guerra, só se for de travesseiros
Entenda, não recuso a ideia
De que só a luta muda a vida
Recuso o que você entende por luta
E sobretudo por vida
Pra mim ela se parece mais com um carnaval
E eu quero todo o mundo no meu funeral
Você não concorda?
Contigo é preto no branco?
É durão?
Senta aí, vamos conversar
Traz mais um copo, garçom!
Postar um comentário