segunda-feira, 5 de agosto de 2013

O circo

Não se fazem mais pessoas como antigamente
Dessa gente, mal educada pelo cinema, tevê
O circo não mais tira sorrisos nem gargalhadas
Do picadeiro, graça alguma ninguém vê
Das crianças, os olhos que faiscavam magia
Não faíscam mais, nem uma chispa de fantasia
Pensam apenas no game inutilizado em casa
E suspiram: circo é chato por demais!
O leão anda magro, de pelo desgrenhado
E seu rugido não mete medo nem num gato
O palhaço nem meia colorida tem, coitado
Com que vestir o sapato de solado remendado
O macaco trapezista perdeu o vestido de chita
Que tiveram que empenhar a um arrivista
E este já mandou dizer que, se não pagar,
Manda um batalhão de advogado o circo fechar
O elefante não toma banho já vai um ano
E para pô-lo no palco dão-lhe desinfetante sanitário
À contorcionista, restou um collant em frangalhos
Que quando ela se contorce deixa ver a cor da calcinha
E o que dizer do trapezista, cujo único seguro
São os braços do Homem Mais Forte do Mundo?
O grande circo Moscou já viu dias melhores
Por ele não circulam mais enamorados jovens
Rapazes e moças não se dão mais os braços
E suas mãos não mais se encontram por acaso
No fundo de um saquinho de pipoca furado
Postar um comentário