segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Epitáfio

Aqui, coube o corpo
    que sobre o mundo nunca coube
Assim, deu-se jeito
    num sujeito sempre sem jeito
Enfim, chega ao fim
    a busca sem-fim que nunca chegou de buscar
Desta jazida, despede-se da vida
    quem fez dela a arte dos encontros e das despedidas
Sem lágrimas nos olhos, ele se recolhe,
    nesta cova, ao colo da nossa Mãe-Terra piedosa
Parte e vai embora, levando consigo
    o canto triste que cantava seu espírito partido
Espera, esperançoso, ter deixado esperança
    nas encruzilhadas por que passou em suas andanças
Postar um comentário