segunda-feira, 30 de junho de 2014

Os primeiros ais

Como doem
Os primeiros ais
Do coração
Como coçam e inflamam
Os primeiros sinais
De uma paixão
Incuráveis
Jamais cicatrizam
Nem nunca desaparecerão
Ainda que durem o tempo
Duma canção
De antigos carnavais
Gravados a ferro e fogo
Como memoriais
Sob o relicário do coração
Serão sempre virginais
Lembranças dum tempo bom
Quando os ais
Não eram de fome nem de solidão
Mas de paz e afeição
Da ilusão doce
Que é a primeira paixão
Postar um comentário