segunda-feira, 30 de junho de 2014

Há sempre uma primeira vez

Beije
As bocas
Que por aí encontrardes
Como se fosse a primeira
Os lábios
Você morda com a fome
De quem come e nunca se sacia
As mãos
Segure bem firme
Como se sumisse o chão sob os pés
Os sexos
Explore como um viajante
Em mata virgem e bravia
Aproveite
Porque cada vez
É como se fosse a primeira
Única e sem volta
Antes que acabe
E era uma vez...
Para a vida inteira
Postar um comentário