sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Não!

O não é o látego de todos os poderosos;
É a tara dos ciumentos e mesquinhos;
Mas é também a arma dos explorados,
Dos pobres humilhados e vilipendiados.

O não é basta, gritado a pulmões plenos;
É o nunca mais calados aguentaremos,
Cabisbaixos, entorpecidos e prostrados;
É tudo o que restou aos despossuídos.

O não é a afirmação dentro da negação
A luz que contêm a trevas e a escuridão
É a liberdade que nasce da escravidão

O não é a nossa garantia de salvação;
É o gládio da nossa revolução;
A herança que deixaremos aos que virão;
É o símbolo altivo do nosso pendão;
E empunhando-o alto, gritamos em uníssono: não, não e não!
Postar um comentário