sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Casamento

Tua presença é a minha ausência
Dias a fio de solidão acompanhada
Mas não diria compartilhada
Tua mudez casa com a minha indiferença
E a gente vive a vida assim, levando-a
Arrastada, quase que de forma obrigada
Para parafrasear Manuel Bandeira
Uma vida inteira que poderia ter sido
E não foi – Ah! Não era isso que eu planejara...
Mas casamento não é doença
A família não se nos impõem como preceito divino
São apenas roupas velhas, gastas
Roupas que não nos servem mais
Se não nos é mais possível usá-las
Que andemos então pelados!
Postar um comentário