terça-feira, 17 de junho de 2008

Cotidiano

Com um forte solavanco ele abre a porta da casa. Está bêbado, exalando o forte odor de álcool adocicado característico da popular cachaça brasileira. Ele põe-se para dentro. Ao entrar, bate a porta contra a batente com tamanha força que a faz pular da cama num espasmo de terror.

Ela já dormia há algumas horas. A brutalidade com que o cônjuge adentrara na casa arrancara-lhe de um sonho. Sonho não, pesadelo. Agora, o pesadelo mais uma vez era real. Não suportava mais o sofrimento calcado no terrorismo imprevisível do marido possuído pelo tal do encosto – como lhe havia explicado o pastor da Igreja Pentecostal. Aliás, marido não. Não mais. Haviam separado-se a dois anos. Precisamente o tempo pelo qual ele estivera “amarrado” pelo demônio. Há dois anos a situação era a mesma, mas o sofrimento, esse começara bem antes, desde o casamento.


Porque houvera de ter se casado com esse traste? A labuta na vida de Maria começara muito cedo. Nunca fora bonita. Sempre tímida, tinha enorme dificuldade em se relacionar socialmente. Por esse ponto de vista parecia-lhe razoável casar com esse homem. Fazer o que? De maneira ou de outra sonhava em ser feliz. E quem não sonha?

Agora lá estava ela. Acordara de um pesadelo onírico para se apreender num pesadelo real. E lá estava ele, revirando as panelas em busca da janta requentada do almoço. A separação não teve efeito nenhum. Ele tinha a chave. E ai de Maria se ela tivesse a audácia de trocar o segredo da fechadura. Toda noite, após muitas dozes de cachaça, ele vinha até sua antiga residência saciar as necessidades libidinosas do seu corpo. Era sempre a mesma coisa: comia o resto da janta, fumava um cigarro, entrava no quarto de Maria e a estuprava.


Maria era forte, calejada, e agüentava estoicamente o sofrimento da vida. Ele era fraco, covarde, acostumado desde pequeno à covardia do mais forte. Mas Maria, caso tivesse outra oportunidade, não sonharia novamente. Já sucumbira à desesperança. E esse era o cotidiano de uma maria qualquer no Brasil.
Postar um comentário