quinta-feira, 10 de julho de 2014

Como antigamente

Eu queria poder chorar
Como eu chorava
Antigamente
Ter a fé que costumava
Inocentemente, sustentar
Quando tudo era novo
E podia errar-se à vontade
Porque era a primeira vez
E porque haveria outras
Agora o que resta são lembranças
Arrependimentos e não esperanças
Que me vergam os ombros
E secam-me as lágrimas
Chega sempre o ponto
Onde se abre mão da felicidade
E se deixa arrastar pelos acontecimentos
Porque se está muito velho e machucado
Pra tentar novamente
E porque se está ainda muito moço
Pra desistir definitivamente
Tudo o que eu queria era chorar
Como eu chorava
Antigamente
Postar um comentário