quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A volta

Voltar é dar uma volta
É a volta em ação
Quando se fecha o ciclo
E se completa o círculo
Encontra-se novamente no início
Porém depois de tê-lo todo percorrido
A volta é aquilo que faz o mundo
Que faz a lua e os astros
Dia após dia
É aquilo que faz a vida
Quando menos se espera
Que em voltas se revira
A volta é aquilo que fazem os humanos
Quando sentem saudades
Quando estão arrependidos
Ou quando perdem a trilha

Para dar uma volta
É preciso aparar as arestas
Livrar-se dos cantos
Até o ponto de se fazer círculo
Circunferência
Como um torrão de argila
Nas mãos do escultor
Se transforma em vaso
Rodopiando livre
Em seu próprio eixo

Se a volta é como um começo
Seria como se nunca houvesse ido
Se não fosse partindo
Que se chega novamente ao início
Exatamente por isso a vida é uma re-volta
Porque sempre nos oferece um re-começo
Ela gira, e redemoinha, e rodopia
Sem início, nem fim, nem meio
É como a roda de uma ciranda
Você entra onde quiser
Pisa com os pés onde todos pisaram
E gira junto, no mesmo sentido
Todos nós vamos um dia
Mas sempre voltamos num outro
E revoltamos
E recomeçamos
De novo
E de novo
Postar um comentário