quinta-feira, 5 de maio de 2016

Poesia aos ultramodernos

No mundo de hoje
Tudo é tão
Efêmero
Incerto
Inseguro
Provisório
Que estamos todos
Abandonados
À própria sorte
À própria solidão
Postar um comentário