terça-feira, 3 de maio de 2016

Não te ausentes

Não tenho casa
Porto ou parada
Casa é este colo
Porto é morada
Pois dura pouco
Apenas o tempo
Em que se passa

Se fico
Não é por cansaço
Tampouco preguiça
Conveniência ou egoísmo
É por livre escolha
Se cá estou
É porque a tu me dou
O tempo que permaneço

Então não te ausentes já
Não penses na estrada
Solitária que um dia levar-me-á
A desconhecidas searas

Não penses na grandeza
Incomensurável do mundo
Que perna nenhuma tudo há de correr
E vista há de ver

O que importa somente
É o que os olhos veem
E o coração sente
Neste tempo e lugar presente
Postar um comentário