terça-feira, 4 de junho de 2013

A boca

A boca é palavra
Cantada ou dita
Ela pergunta ou se cala
Com outras palestra
Ou sozinha recita
Declama poesias
Exprime ideias
Ou contra elas grita

A boca é da palavra a lida
Que o pensamento velava
Pode ser popular ou erudita
Coloquial ou prolixa
O importante é que quando fala
Ela ao mundo comunica
Uma ideia ou um ponto de vista

À imaginação empresta asas
Que aos quatro cantos o vento leva
Torna pública e sabida

Da expressão a boca é o azo
Que contra a vida protesta
Ou com ela se solidariza

* * *

A boca é objeto de desejo
É o alvo do murro
Ou o ensejo do beijo
Concedido ou roubado
Num momento de descuido

Torcida num êxtase enlevado
A boca é a imagem do gozo
Entre gemidos longos e moucos
Ela faz promessas abafadas
Emite sussurros roucos
Com os lábios o sexo agarra
Perde por pouco o dom da fala
Ou então, em impulsos loucos
Grunhi palavras despudoradas

* * *

Boca, abre-te e fala
Fala porque boca que é boca
Não se cala
Abre-te, vistosa e larga,
Amistosa ou braba
Num ricto de escárnio
Zombaria e sátira
Ou num ranger de dentes
Lançando mordentes palavras
Mas não te cala
Abre-te, boca
Abre-te e fala

Porque boca quando é boca
Jamais permanece fechada
Fala e dá a conhecer ao mundo
Ideias novas e impensadas
Fala porque quem tem boca
Faz a História que um dia,
Por outras bocas, será contada
Postar um comentário