sexta-feira, 17 de julho de 2015

Balanço dos 30

A 26 dias de completar 30 anos,
Achei oportuno fazer um balanço deste tempo vivido
Tão único, tão singular
Às vésperas do trigésimo aniversário,
Como me sinto?
Primeiro, mais jovem do que nunca
Os anos têm-me rejuvenescido
Tenho fome de vida
E quanto mais eu como
Menos ela me sacia
A dureza da sociedade
Não apagou meus olhos maravilhados de menino
Com tanta beleza e novidade
Que há pra se ver no mundo
Não queixo-me dos anos perdidos
Das besteiras ditas
E dos amores desperdiçados
Se em troca ganhei sabedoria
Aprendi que o objetivo, ilusório
É desimportante
Mais vale o próprio caminho
O ato de caminhar
Compreendi que não se avalia a viagem
Pelo peso da bagagem
A experiência ensina a levar somente o necessário
E com as costas leves
Se vai mais longe
Com o passado fiz a pazes
E do futuro não mais receio
Claro, nem tudo é alegria aos trinta
Mas aprendi a ser eu mesmo
Embora tenha falhado em praticamente tudo
E o resto ainda reste pela metade
Sinto orgulho daquilo que fiz de mim mesmo
Se você pensar nos 30 como o meio
Ele se parece com um fio de navalha
Sobre o qual a gente se equilibra
Entre passado e futuro
Alguns vivem no passado
Outros preferem o futuro
Eu escolho viver o presente
Postar um comentário