segunda-feira, 30 de junho de 2014

Futebol e gênero

Nesta Copa, vamos aproveitar para discutir questões de gênero no esporte? Especialmente no futebol, cujo caráter masculino (e hetero) é basicamente inquestionado porque a distinção entre gêneros que tal caráter pressupõe é tacitamente aceita como natural. Entre os esportes, gênero (e orientação sexual) é um marcador estrutural. (Vale notar como as questões de gênero estão umbilicalmente ligadas às questões de sexualidade.) Neste aspecto, o esporte é um campo social tão disciplinador e definidor de papeis quanto o exército – e, com efeito, poder-se-ia estabelecer uma série de paralelos entre ambos. Por exemplo, por mais que ninguém chame seriamente os jogadores profissionais de vôlei de homossexuais (e os comportamentos “não-sérios”, como gracejos e brincadeiras, são talvez mais determinantes do que o que é dito “seriamente” na reprodução de preconceitos) , a ideia de que se trata de um esporte “de mulher” é um preconceito corrente e disseminado. Nos processos de socialização da criança isso fica muito claro, e o papel do esporte é particularmente importante na construção das identidades de gênero: assim como azul é de menino e rosa é de menina, futebol é de menino e vôlei é de menina. Os casos desviantes são sempre estigmatizados. Parece correto que estamos no meio de mudanças históricas significativas, e essas distinções e preconceitos não são talvez mais tão claros. O fenômeno se manifesta através de matizes e expressões ambíguas. A mídia hoje dá certa atenção ao futebol feminino, por exemplo, mas um futebol misto é quase inimaginável, e as diferenças de prestígio e posição entre o futebol masculino e feminino são explícitas. Argumentos naturalistas e pseudocientíficos são invariavelmente mobilizados, assim como em relação a muitas outras questões de gênero, para explicar tais diferenças. Enfim, os esportes em geral, e o futebol em particular, são campos férteis para se problematizar as relações de desigualdade e poder entre os gêneros. Vamos questionar e debater?
Postar um comentário