segunda-feira, 7 de maio de 2012

Mais sobre a política de cotas

Sobre a questão das cotas, antes de tudo é necessário afastar os argumentos simplistas baseados em lugares-comuns, tanto em relação às posições contrárias quanto às favoráveis às cotas. Os que são contra afirmam que as cotas institui uma situação de privilégio e, consequentemente, de desigualdade, o que está em desacordo com o Estado Democrático de Direito. Ora, trata-se de uma desigualdade de dir...eito que apenas vem para compensar uma desigualdade de fato. Afirmam também que elas roubam o mérito individual, crença basilar de uma sociedade que tem no culto ao indivíduo seu fim precípuo. Ora, as cotas não vem para facilitar o acesso de determinadas camadas sociais no ensino superior, mas sim para equalizar a desigualdade de fato que existe entre essas e outras camadas sociais. O estudante cotista se empenha como qualquer outro para ser admitido na universidade. Os que são a favor das cotas frequentemente brandem o argumento da dívida histórica. Ora, dívida história a se reparar é o que mais há na sociedade brasileira. Os homens estão em dívidas com as mulheres; os paulistas com os imigrantes europeus; os litorâneos com os sertanejos; etc. Tais "dívidas" devem sim ser combatidas e reparadas. A questão é quais os meios a serem empregados. Somos pelas cotas, mas como uma bandeira específica e secundária, momento de uma luta maior que passa pela universalização da educação pública e de qualidade, o fim do preconceito de cor/gênero/etnia/credo e o fortalecimento da luta dos trabalhadores em prol de uma sociedade mais justa.
Postar um comentário