sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Ode à tristeza de uma pedra

Sou a tristeza em pessoa. As vezes parece que vou desfalecer. Todas as nossas lembranças ficam ressurgindo diante dos meus olhos. Até as lembranças mais dolorosas parecem felizes agora. É excruciante a dor de se ver quem se ama partir. Chega mesmo a tornar-se um flagelo físico. Pode-se sentir o coração inundado por concreto parar de bater aos poucos, sufocado contra o peito. A gente se deixa levar pelo sofrimento. Parece que nada mais importa; e, de fato, nesse momento nada mais importa, tanto é que a morte seria bem-vinda. Quando um ser parte o outro parte também. Eram apenas uma alma, agora são duas, de novo. Tanta luta, tanta força e coragem empreendida num amor, para dissolver tudo em segundos. Isso nos faz pensar na efemeridade das ações humanas. Tudo se vai. Deveríamos ir com elas, deixando-nos naufragar de bom grado juntamente com a nau que capitaneamos durante tanto tempo? Se pudéssemos ter alguma garantia, de qualquer coisa, viveríamos menos assolados pelo medo. Mas nada é firme o bastante para acreditarmos em sua perdurabilidade. Acaso não seria melhor tornarmo-nos fluidos como as coisas da vida e do mundo? Fluiríamos por aí, inertes à ação do tempo. Mas, não. Quedamos como rochas inamovíveis, tenaz o bastante para suportar o castigo infatigável das ondas, sem poder defender-se porém. Aos poucos a rocha é talhada. Mas de tal sorte tão lentamente, que precisaríamos viver um milhão de anos para aprender alguma coisa com o mar revolto. Essa é justamente uma simples verdade: mudamos e transmudamos a vida toda, contudo sem aprender coisa alguma. A morte vem nos buscar do jeito que fomos entregues à vida: sem nenhuma maturidade, sem nenhuma virtude, nem grandeza, nem beleza. Vida amargurada, cumulada de frustrações, camada sobre camada como o leito de um rio assoreado. Toda aquela vitalidade caudalosa da juventude acaba rasa na velhice, até que, enfim, seca. O que sobra é resignação. Será essa a tão falada maturidade, o realismo na maneira com que os mais velhos enfrentam a vida? Sem autocomplacência, isso ostenta em verdade o puro e simples conformismo. O conformismo de uma rocha, impávida, incapaz de amoldar-se ao movimento fluido das águas. Sem esse sentimento a vida seria mais venturosa. Mas isso tudo são lamentos, lamúrias tolas e infantis, e eu me desprezo por elas. Rigidez e dureza são qualidades necessárias a um caráter vil posto num mundo vil. Sejamos então como rochas, sem amor, somente tristeza dissimulada. Quem ri entre os outros chora pra si sozinho, maldizendo suas tristezas ao travesseiro amigo.
Postar um comentário